Nazismo judeu e ortodoxia

A expressão nazismo judeu parece contraditória e absurda, mas foi o que entendi simbolicamente quando assisti ao vídeo no YouTube – como os judeus tratam os cristãos em Israel (https://www.youtube.com/watch?v=3×8-it7lrOo). Este vídeo indica uma pequena parte dos judeus, o que também é praticado por alguns muçulmanos, que não aceitam a presença de um repórter nas proximidades de uma sinagoga, mas representa o mesmo pensamento nazista, no sentido de que algumas pessoas são melhores que as outras, que não merecem tratamento digno.

Deve ser dito que o verdadeiro judaísmo é o vivido por Jesus, judeu de nascimento, crença e vida, que tentou apartar o judaísmo do nazismo, evoluindo a interpretação da Torá, para uma interpretação benevolente e humana, misericordiosa.

Nazismo é abreviação da expressão “nacional socialismo”, que era o que professava o partido de Hitler, que indicava a defesa de uma nação específica, do povo trabalhador alemão, que seria o povo ariano e superior.

No documentário também do YouTube – a verdadeira história soviética (https://www.youtube.com/watch?v=pMx8SHzhk1U), o nazismo alemão de Hitler é associado de forma clara e incontestável ao internacional socialismo da União Soviética, inclusive quanto à utilização do genocídio, homicídios em série contra determinadas populações, sendo a diferença apenas de âmbito de doutrina, uma doutrina era internacional, e podia-se matar quem quer que fosse em proveito da revolução comunista mundial, e a outra era nacional, em que o beneficiário era um povo específico.

O nazismo econômico, que destrói hospitais de refugiados de guerra, é igualmente hediondo.

Não se pode esquecer que a própria Bíblia destaca uma ordem de cunho “genocida” no começo da formação do povo judeu, no sentido de que os israelenses não deixassem nada vivo em determinados locais da terra prometida, Canaã.

“Todavia, quanto às cidades destas nações que Iahweh teu Deus te dará como herança, não deixarás sobreviver nenhum ser vivo. Sim, sacrificarás como anátema os heteus, os amorreus, os cananeus, os ferezeus, os heveus, os jebuseus, conforme Iahweh teu Deus te ordenou, para que não vos ensinem a praticar todas as abominações que elas praticavam para seus deuses: estaríeis pecando contra Iahweh vosso Deus” (Dt 20, 16-18).

A vinda de Jesus, com a nova aliança, foi para estabelecer a sacralidade da humanidade, em termos espirituais, Ele veio para mostrar aos judeus essa realidade. O problema da sua mensagem, contudo, é que ela contraria o interesse dos poderosos, dos líderes da nação e dos sacerdotes; tanto é que sua morte representa o fim da exclusividade dos sacerdotes no contato com Deus, o que somente era possível àqueles com restritíssimo acesso ao Santo do Santos, no interior do templo de Jerusalém.

“Nisso, o véu do Santuário se rasgou em duas partes, de cima a baixo, a terra tremeu e as rochas se fenderam” (Mt. 27, 51).

A significação simbólica do fato de o véu ter se rasgado é no sentido de que a morte de Jesus pôs fim à exclusividade do povo judeu como eleito de Deus, permitindo uma humanidade monoteísta, abrindo a porta ao sacerdócio santo àqueles que O aceitem. Não mais há monopólio sacerdotal, bastando que o interessado seja puro de coração, humilde e submisso à Lei, a Deus.

Com Jesus Cristo, já consolidada a ideia monoteísta, a morte foi abolida, tanto como ideia de separação espiritual de Deus, quanto como sanção penal, pelo que deve a nação de Israel ser o povo do serviço santo, dando a César o que é de César, o tributo, com suas consequências sociais, notadamente a segurança, que era o benefício prestado por Roma (hoje saúde, educação, previdência), e a Deus o que é de Deus, o respeito à integridade da Lei, em seu espírito, inclusive na proteção do estrangeiro e no culto espiritual.

“Por acaso não consiste nisto o jejum que escolhi: em romper os grilhões da iniquidade, em soltar as ataduras do jugo e pôr em liberdade os oprimidos e despedaçar todo o jugo? Não consiste em repartires o teu pão com o faminto, em recolheres em tua casa os pobres desabrigados, em vestires aquele que vês nu e em não te esconderes daquele que é tua carne? Se fizeres isto, a tua luz romperá como a aurora, a cura das tuas feridas se operará rapidamente, a tua justiça irá à tua frente e a glória de Iahweh irá à tua retaguarda” (Is 58, 6-8).

A nova aliança permite o contato de qualquer um com a divindade, por meio de Cristo, de seu sacrifício, de seu serviço sagrado em favor da ideia divina, em favor de sua obra em curso na história humana, a história do Direito, com ligação direta com a história da “civilização”.

Jesus nos mostrou que a humanidade é nossa carne, todos somos um só corpo, pelo que a ideia nazista é inadmissível, sendo uma política ultrapassada, de segregação de povos.

Infelizmente vemos a ideia nazista se multiplicar atualmente, sob diversas formas, como fronteiras entre nações, entre partidos, entre pessoas.

Se a identificação do ego é necessária, pela separação intelectual do mundo, formando a individualidade, o limite dessa identificação deve ser observado com cuidado, sob pena de identificação nazista, o ego coletivo exclusivo. Uma coisa é a preservação de uma cultura, outra é a aniquilação e condenação sumária do pensamento alheio.

A ortodoxia, que significa a adoção da regra correta, nem sempre está correta.

Diz-se que “Deus escreve certo por linhas tortas”, pelo que Deus, na visão humana, às vezes não segue o que entendemos como as regras certas, mas como Deus é perfeito, por definição, Ele escreve certo por linhas certas, mas nossa incompetência e limitação em entender Suas regras faz com que as vejamos como tortas.

Saliente-se que nós não entendemos nem “nossas” regras, na medida em que a relatividade não explica o que ocorreu no princípio da criação ou no interior do buraco negro, ou a energia escura ou a matéria escura, pelo que fica realmente difícil dar algum crédito a qualquer pessoa que questiona os méritos da Providência.

Jesus, na visão ortodoxa, era um heterodoxo, um blasfemo herege, mas na visão de Deus, é o verdadeiro judeu ortodoxo.

Enquanto todos os judeus não entenderem isso, eles não entrarão no Reino de Deus, ou, pelo menos, os que sobrarem…

“Naquele dia, o rebento de Iahweh se cobrirá de beleza e de glória, o fruto da terra será motivo de orgulho e um esplendor para os sobreviventes de Israel. Então o resto de Sião e o remanescente de Jerusalém serão chamados santos, a saber, o que está inscrito para a vida em Jerusalém. Quando o Senhor tiver lavado a imundície das filhas de Sião e o sangue de Jerusalém do meio dela, pelo sopro do seu julgamento, sopro de fogo abrasador” (Is 4, 2-4).

A divisão que a humanidade vive, fechamento de fronteiras na Europa, com a mesma ideia sendo defendida na eleição norte-americana (o que não quer dizer que o outro lado não seja igualmente demoníaco), a partidarização radical no Brasil, entre governo e oposição, é a encarnação do anticristo, ideia segundo a qual o mal está no outro, e deve ser eliminado.

A majestade de Deus nos deu a profecia para nossa tranquilidade, pois ainda que venha a tribulação, a vinda do Reino de Deus é a esperança que dá força nos momentos de dificuldade, já descritos e antevistos, por sua Inteligência Superior, transmitida aos profetas.

“O irmão entregará o irmão à morte e o pai entregará o filho. Os filhos se levantarão contra os pais e os farão morrer. E sereis odiados por todos por causa do meu nome. Aquele, porém, que perseverar até o fim, esse será salvo” (Mt 10, 21-22).

Vem Senhor Jesus! Ou, o que é o mesmo, humanos, sejam Humanos e ajam como Humanos, Coletividade Pensante.

2 comentários sobre “Nazismo judeu e ortodoxia

  1. Parabéns pela página. São iniciativas como esta que nos estimulam a pesquisar e repensar o Direito e a Justiça em profundidade.
    Um abraço do amigo

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s