Infinite Potential: The Life and Ideas of David Bohm

Em setembro de 2014, enquanto lia “A ilha do conhecimento: os limites da ciência e a busca por sentido”, de Marcelo Gleiser, fui apresentado às ideias de David Bohm:

Uma tentativa de construir uma física quântica satisfazendo as demandas do realismo é a teoria de De Broglie-Bohm das ‘variáveis ocultas’. O físico americano David Bohm desenvolveu a teoria quando trabalhava como assistente de Einstein em Princeton, continuando quando foi para São Paulo em 1952, escapando da perseguição anticomunista da era do macarthismo. Inspirado por ideias de De Broglie, Bohm adicionou um nível de explicação extra na teoria quântica, capaz de descrever a posição do elétron com exatidão. A equação de Schrödinger continuava a mesma, mas era ‘pilotada’ por outra equação, que descrevia a ‘função de onda-piloto’. Da mesma forma que um maestro controla diferentes setores de uma orquestra durante uma sinfonia, a função de onde-piloto determina a divisão (ou bifurcação) da função de onda entre os vários estados físicos possíveis. Esse direcionamento ocorria sob o comando de uma ou mais variáveis ocultas, que eram indetectáveis por experimentos. Como uma divindade onipresente, a função de onda-piloto atuava em todos os lugares ao mesmo tempo, uma propriedade que os físicos chamam de ‘não localidade’. Em outras palavras, na mecânica de De Broglie-Bohm, as partículas permaneciam sendo partículas, e seu movimento coletivo era guiado de forma determinística pela ação não local da onda-piloto. As partículas agiam como um grupo de surfistas pegando a mesma onda, cada um guiado em uma certa direção à medida que a onda onipresente avançava.

Na teoria de De Broglie-Bohm, o comportamento do elétron é perfeitamente previsível; podemos calcular onde estará em um determinado momento do futuro. A variável oculta faz a ponte entre o conceito clássico de realidade e a indeterminação quântica. Mas a barganha tem um preço: para transformar a mecânica quântica em uma teoria determinística é necessário impor uma teia de influência entre tudo o que existe. Em princípio, o Universo como um todo influencia o resultado de cada experimento. Na prática, a velocidade e a aceleração de cada partícula dependem da posição instantânea de todas as outras partículas. O Universo age conjuntamente, determinando as condições ‘ambientais’ (isto é, tudo o que não é a própria partícula) que influenciam cada subsistema – de uma colisão dos detectores do CERN ao movimento das nuvens do céu. A teoria de De Broglie-Bohm leva a condição de não localidade ao extremo. Não é por coincidência que Bohm intitulou seu livro explorando os fundamentos filosóficos de sua teoria de A totalidade e a ordem implicada. E também não é surpreendente que poucos físicos endossem essas ideias, se bem que algumas variações da teoria de De Broglie-Bohm continuem sendo estudadas” (Marcelo Gleiser. A ilha do conhecimento: os limites da ciência e a busca por sentido. Rio de Janeiro: Record, 2014, pp. 228-229).

Posso dizer que a leitura da passagem acima teve um impacto definitivo em minha vida intelectual, fornecendo o que seria, ao lado das ideias de Hegel e Jung, o terceiro tripé teórico da Teologia ou Filosofia natural que sustento, tudo sob uma leitura Cristã de mundo. Lendo o texto acima transcrito, imediatamente me veio à mente a ideia Cristã de Espírito santo, à qual associei a de onda-piloto, por uma certa identidade entre as respectivas qualidades: a ação de um maestro com atributos de uma divindade onipresente, atuando em todos os lugares ao mesmo tempo, pressupondo existir uma teia de influência instantânea entre tudo o que existe no Universo.

Vale, pois, um novo agradecimento à honestidade intelectual de Marcelo Gleiser, porque deu a descrição teórica da hipótese sem ocultar ou manipular dados, ao contrário do que fazia Stephen Hawking, como exposto no artigo “Ciência: a luta do cosmos contra o caos” (https://holonomia.com/2016/08/13/ciencia-a-luta-do-cosmos-contra-o-caos/):

Para culminar sua extravagância ‘filosófica’, Hawking ainda afirma que as ‘teorias de ‘variáveis ocultas’ preveem resultados em desacordo com as observações. Mesmo Deus está limitado pelo princípio da incerteza e não pode conhecer a posição e a velocidade; Ele só pode conhecer a função de onda’ (Op. cit., p. 107). Tal afirmação, além de conter a visão de uma ameba julgando o conhecimento humano, não é honesta cientificamente. Marcelo Gleiser, na obra que me indicou o trabalho de David Bohm, informa que a teoria das variáveis ocultas ‘produz os mesmos resultados da mecânica quântica’, que as ‘duas teorias fazem as mesmas previsões e não existe uma possibilidade de distinção’, optando ele pela mecânica quântica sem uma onda-piloto por ser ‘bem mais simples’ (In A ilha do conhecimento: os limites da ciência e a busca por sentido. Rio de Janeiro: Record, 2014, p. 229).”

Em outubro de 2014 eu estava lendo “A totalidade e a ordem implicada”, e desde então me interesso por tudo o que diz respeito ao trabalho de David Bohm, tendo descoberto, então, que estava sendo produzido um documentário sobre sua vida.

Assim, em 20 de junho de 2020, ao pesquisar sobre a previsão de conclusão do documentário, depois de meses sem consultar o assunto, constatei que aquele era o dia do lançamento do filme, que foi disponibilizado gratuitamente no YouTube: “Full Film – Infinite Potential: The Life and Ideas of David Bohm” (https://www.youtube.com/watch?v=XDpurdHKpb8).

O vídeo começa com as palavras de Bohm: “When I was younger I felt that, in the beginning, the science would surely be a source of benefiting mankind. I had no question about it. I began to feel that something beyond science wold be needed to approach this question” (Quando eu era mais jovem, sentia que, no começo, a ciência certamente seria uma fonte de benefício para a humanidade. Eu não tinha dúvida sobre isso. Comecei a sentir que algo além da ciência seria necessário para abordar essa questão).

Apesar de o vídeo ser em inglês, há uma possibilidade (acabo de descobrir) no sentido de configurar a legenda automática gerada em inglês para uma tradução automática para o português (a maravilhosa tecnologia sendo bem usada para permitir a divulgação do conhecimento), o que, mesmo não tendo muita precisão, e às vezes com falhas grosseiras, permitirá que os que não têm um bom entendimento da língua inglesa possam aproveitar o vídeo.

Espero sinceramente que o leitor separe uma hora e onze minutos de sua vida para receber informações e conhecimentos com potencial de iluminar seu conhecimento do mundo, porque a vida de Bohm está completamente inserida nas ideias que dominaram o século XX, da total negação da espiritualidade na ciência, passando pela perseguição pessoal porque ele tinha participado de reuniões do partido comunista para encontrar pessoas que poderiam discutir Hegel com ele, mas que nem sabiam quem Hegel era, isso sem falar no fato de que suas ideias e pesquisa científica foram usadas, sem sua participação, para concluir o projeto Manhattan, que produziu a bomba atômica.

A ignorância quanto a Bohm e mesmo sua rejeição são fruto de uma posição filosófica equivocada, e mais cedo ou mais tarde seu trabalho terá o reconhecimento público que merece, do que o vídeo talvez seja apenas o começo, lembrando que o nome deste sítio está diretamente ligado à visão de mundo de Bohm associada a uma interpretação científica da Teologia Cristã.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s