Conhecimento profético

O conhecimento profético, ou revelado, está no centro da mensagem monoteísta, significando a recepção de uma determinada realidade pelo indivíduo escolhido, ao qual é apresentado um nível simbólico do mundo que muitas não é compreendido pelo próprio receptor daquela comunicação, como aconteceu com o profeta Daniel (Dn 12, 8-9) e com o autor do Apocalipse (Ap 17, 6-7).

Essa forma especial de conhecimento ocorria no tempo antigo com mais intensidade, mas ainda é um fenômeno que continua a existir, havendo dois exemplos muito importantes do início do século XX, ligados à atividade científica, com semelhanças com a verdade revelada, Nikola Tesla, que dizia ter contato com seres de outro mundo, e Srinivasa Ramanujan, o qual afirmava receber mensagens de uma deusa, e conseguia compreender instantaneamente complexas relações matemáticas, sem necessidade de demonstração.

A vida de Ramanujan é objeto de um filme muito bom “O homem que viu o infinito”, disponível na Netflix, sendo que recentemente assisti a um vídeo no YouTube sobre ele, em um canal sobre Matemática (Toda a matemática – https://www.youtube.com/watch?v=RMB8s27Rjeo), explicando que ele fazia contas de elevadíssima complexidade praticamente de cabeça, entendendo tais resultados como óbvios, sendo citado que uma dessas contas óbvias precisou ser explicada em uma dissertação de mestrado de cinquenta páginas.

Alguns indivíduos têm, portanto, uma capacidade extraordinária, podendo-se dizer sobrenatural, de percepção de determinadas realidades, que às vezes somente serão entendidas pelas demais pessoas dezenas, centenas ou milhares de anos depois, sendo fundamental a atenção a tal forma de conhecimento, que é revelado por Deus para muito além da racionalidade do tempo em que a mensagem é transmitida, principalmente porque toda a narrativa bíblica é baseada nesse tipo de acontecimento e na expectativa sobre o cumprimento de profecias dessa forma reveladas, do Gênesis ao Apocalipse.

Não é por acaso que o Apóstolo Paulo, na primeira carta que escreveu, o primeiro texto do Cristianismo, segundo os estudiosos, destacou a importância de tal estudo.

Não extingais o Espírito; não desprezeis as profecias. Discerni tudo e ficai com o que é bom” (1Ts 5, 19).

Falando em profecias, estou acompanhando uma série de um excelente canal do YouTube, “Davar – opinião e religião”, em que está sendo abordado o texto do profeta Isaías (https://www.youtube.com/watch?v=-0CWsh4Lirg), em um total esperado de treze vídeos de aproximadamente trinta minutos. O autor do canal é um estudioso das escrituras e tem uma ótima compreensão dos contextos históricos e simbólicos dos textos sagrados.

O correto entendimento das profecias é essencial para a interpretação adequada da História, e do próprio Cristianismo, pela inafastável conexão, por exemplo, entre as visões dos profetas do chamado Antigo Testamento e o livro do Apocalipse, que retoma temas já existentes na Escritura judaica, especialmente Isaías, Ezequiel e Daniel.

Um dos grandes problemas do Cristianismo, é importante ressaltar, está na desconexão entre o entendimento do Novo Testamento e o que significavam as profecias e os símbolos religiosos segundo Jesus e seus seguidores, todos judeus. Ainda que tenha havido uma renovação hermenêutica das Escrituras a partir de Jesus e de sua Mensagem, não houve o total rompimento com cosmovisão judaica.

A própria ideia do Reino de Deus, da concretização do projeto político de Deus para a humanidade acabou sendo mal compreendida, especialmente quando se entendeu e se entende que tal Reino não é deste mundo, contrariando o entendimento expresso, e talvez óbvio, dos textos proféticos.

Por mais que tal Verdade seja ignorada, está cada vez mais próxima sua revelação, quando as pessoas, como os profetas, serão arrebatadas pelo Espírito da profecia, e poderão, enfim, oferecer os louvores devidos ao Altíssimo, inclusive, e especialmente, no ambiente político internacional, porque Deus, de fato, é o único e verdadeiro Soberano, o Senhor das nações e dos exércitos.

E dirás naquele dia: Louvo-te, ó Iahweh, porque, embora tivesses estado encolerizado contra mim, a tua ira cessou e agora me deste o teu consolo. Ei-lo, o Deus da minha salvação: sinto-me inteiramente confiante, de nada tenho medo, porque Iahweh é a minha força e o meu canto. Ele é a minha salvação. Com alegria tirareis água das fontes da salvação. E direis naquele dia: Louvai a Iahweh, invocai o seu nome; proclamai entre os povos os seus feitos, fazei saber que o seu nome é excelso. Salmodiai a Iahweh, porque ele fez coisas sublimes; seja isto sabido no mundo inteiro. Erguei alegres gritos, exultai, ó habitantes de Sião, porque grande no meio de ti é o Santo de Israel” (Is 12).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s