Violência e Verdade

O mundo atual sofre por causa da violência, tanto física como moral e intelectual. A primeira é mais perceptível que as outras, mas provavelmente é efeito da generalização da violência intelectual e da violência moral. O mundo atual é irracional, e por isso violento.

A violência intelectual é aquela praticada contra a inteligência, contra a razão, contra a Verdade; é a primeira violência, que causa as demais. E a primeira violência contra a Verdade é negar a sua existência, relativizando o conceito de Verdade, como ocorre na proposta de Nietzsche, dizendo não haver fatos, apenas interpretações. Não é por acaso que Nietzsche morreu louco em um hospício, depois de perder todo contato com a realidade.

Nesse ponto, é importante ressaltar que a Verdade é a Realidade, e a Razão, a Verdade é Real, e Racional, e negar a existência da Verdade é negar a própria Realidade, é negar a Razão, o Logos. Sobre este conceito, remeto o leitor ao artigo “A Realidade” (https://holonomia.com/2017/03/23/a-realidade/).

Assim, apenas a Verdade é Real, e somente a realidade é verdadeira e racional. A Verdade está em todos os ramos da ciência, mas não se limita por nenhum deles. E a especialização científica, nesse aspecto, é um problema para a Verdade, na medida em que o aprofundamento do conhecimento de determinado setor do conhecimento geralmente é acompanhado pelo abandono dos demais ramos científicos, com prejuízo para o conhecimento da Verdade, como totalidade do saber científico. Quem sabe tudo de nada, nada sabe. A mera fragmentação do conhecimento contraria a Verdade, como a análise sem a síntese. O conhecimento de exceções não pode permitir o esquecimento da regra, assim como o entendimento do todo é condicionante para a compreensão de suas partes.

A Verdade é a realidade de todas as ciências. Apenas a Física, a Biologia, a Química e/ou o Direito não contêm toda a Verdade, apesar de esta estar naquelas. A Verdade é, outrossim, o conjunto integral e harmônico das verdades científicas.

O Direito, de sua parte, procura a Verdade, mas, para fins práticos, em alguns casos, para tornar pacífica ou resolvida a questão, contenta-se com a verdade jurídica, também chamada verdade formal, decorrente, por exemplo, das presunções legais e dos efeitos dos ônus probatórios no processo judicial. Nesse sentido, cabe ao autor provar os fatos que alega, para ver seu direito satisfeito; e cabe à acusação a prova da existência do crime e da autoria ou participação pelo réu, para conseguir a condenação. De outro lado, no processo civil, a revelia, a falta de contestação ou de impugnação dos fatos afirmados pelo autor pode levar ao entendimento, por presunção, de que esses fatos são verdadeiros.

Desse modo, as ciências parciais possuem verdades parciais, mas a Verdade transcende as verdades parciais das ciências. A Verdade, portanto, é Global, é Indivisível, é Plena, é Unitária.

Assim, existem fatos, e a Verdade é a interpretação completa dos fatos, conectando-os a todos os demais fatos, por meio da razão, da unidade racional, do Logos.

Jesus Cristo, como manifestação viva do Logos, da Vida, é a Verdade, porque Sua Verdade transcende as verdades dos ramos científicos, mesmo dos atuais, e também por isso suas ações sobre o mundo são conhecidas como milagres, por extrapolarem os limites do conhecimento científico parcial. Além da Física, Ele acalmou o movimento dos ventos, controlou uma tempestade, sem falar no fato de ter andado sobre as águas, desafiando a gravidade. Além da Química, transformou água em vinho. Além da Biologia, realizou e realiza curas e ressurreições, isso deixando de lado Sua própria ressurreição. Além da Sociologia e da Psicologia atuais, moveu a sociedade nos últimos dois mil anos, dividindo a História em duas fases, antes e depois de seu nascimento (ainda que ele tenha nascido por volta do ano 10 antes de Cristo) e tem conhecimento do interior do homem, é o Si-mesmo, a unidade da humanidade.

E o mais importante, no Direito, porque Jesus é o Messias Judeu, o Rei dos Reis, a realização plena da Lei, humana e natural, por ser o cristianismo uma religião jurídica e política, Ele fundou os direitos humanos, o conceito de humanidade, e exerce o julgamento divino como medida da humanidade, sendo o modelo perfeito de governante.

Apenas Jesus Cristo, individualmente, alcançou a Verdade, sendo o Logos em ação. Mas Ele nos deixou o exemplo, o Método científico, enquanto Caminho para chegarmos a Deus, ao Logos, à Verdade, e prometeu acompanhar aqueles que Nele crerem, seguindo-o. O apóstolo Paulo, seguidor de Jesus, disse que a Igreja é a coluna e o alicerce da Verdade.

Todavia, se eu tardar, saberás como proceder na casa de Deus, que é a Igreja do Deus vivo: coluna e sustentáculo da verdade” (1Tm 3, 15).

Como o Direito, especialmente na sua elaboração pública e racional pelo Estado, regula mesmo as atividades dos demais ramos do conhecimento, das demais ciências, o Estado, a Igreja, a Ekklesia, a comunidade fundada em princípios racionais, serve de parâmetro da verdade, pois a função do Estado é servir a coletividade, e a Verdade é coletiva. Quando o Estado se afasta da Verdade, a Verdade se impõe, como ocorreu na revolução francesa, na revolução russa, quando a verdade da minoria privilegiada contrariava a Verdade, quando o Estado não cumpria suas funções, situação enfrentada hoje pelo mundo globalizado.

O Estado contemporâneo, portanto, está se desviando da Verdade, negando a realidade e a natureza das coisas, transformando erros e exceções em supostas regras. Por exemplo, afirmar a existência de “casamento gay” é negar a ontologia do casamento, a Verdade da instituição. E quando a ONU, como superentidade estatal, afirma que homossexualismo é normal e não pode ser tratado, isso levou a edição de normas nesse sentido, de conteúdo ideologicamente sectário, em detrimento da ciência. Mesmo deixando de lado a questão religiosa, se Richard Dawkins, com sua hipótese de gene egoísta, estiver certo, é possível considerar o comportamento homossexual como uma anomalia, genética e/ou psíquica, passível de tratamento, porque contraria a reprodução genética e o desenvolvimento da vida, pelo que a proibição de tratamento contra o homossexualismo, dado que a hipótese de ser patologia não é cientificamente absurda, contraria a Verdade mesmo segundo a ciência materialista mais moderna.

A própria negação da realidade social e assistencial do Estado afronta sua ontologia, sua Verdade, o que também ocorre quando é usado para promover guerra e matar seres humanos, principalmente por motivos econômicos ou ideológicos. A função do Estado é promover a Vida, a humanidade, que é coletiva e independe do local de nascimento da pessoa, é a razão de dois ou mais, para todos os seres humanos.

Em verdade vos digo: tudo quanto ligardes na terra será ligado no céu e tudo quanto desligardes na terra será desligado no céu.

Em verdade ainda vos digo: se dois de vós estiverem de acordo na terra sobre qualquer coisa que queiram pedir, isso lhes será concedido por meu Pai que está nos céus. Pois onde dois ou três estiverem reunidos em meu nome, ali estou eu no meio deles” (Mt 18, 18-20).

A Verdade é Espiritual, é coletiva, objetiva e racional, sendo compartilhada, e daí porque a reunião das pessoas em nome de Jesus Cristo, em nome do Logos, para a unidade da humanidade, pode atingir a Verdade que alcança o Espírito, que é eterno.

A Verdade se liga à santidade, à sanidade, à integralidade da Vida. E a Palavra de Deus, em sua plenitude, o Logos, é a Verdade.

Santifica-os na verdade; a tua palavra é verdade. Como tu me enviaste ao mundo, também eu os enviei ao mundo. E, por eles, a mim mesmo me santifico, para que sejam santificados na verdade” (Jo 17, 17-19). A comprovação de que a palavra de Deus, inclusive, e especialmente, a encontrada da Bíblia, é Verdade está no fato de que as profecias estão em pleno cumprimento, as predições estão acontecendo.

Portanto, negar o Logos, negar a Razão, a Verdade e a Realidade, é a primeira violência praticada pela pessoa, por egoísmo, medo ou ignorância. E essa violência intelectual, possuindo limitação racional, impede o desenvolvimento do diálogo, da comunicação, levando à violência moral. Quando a pessoa perde o argumento, perde a razão, e já tendo violentado a Verdade, parte para a violência moral, para as ofensas verbais, e estas, acumulando-se, levam à violência física.

Tanto a violência moral quanto a violência física podem ser decorrentes de falta de paciência, diante da grande diversidade de níveis argumentativos, quando não há boa vontade para o desenvolvimento da comunicação, como podem surgir da não aceitação do erro, do apego ao egoísmo, quando a razão é deixada de lado, passando a ser adotada a força bruta.

A Verdade liberta da ignorância, sendo pacífica e paciente, seguindo o exemplo do Mestre, que morreu pacificamente na cruz, o que foi, ao mesmo tempo, uma violência brutal.

Se permanecerdes na minha palavra, sereis verdadeiramente meus discípulos e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará” (Jo 8, 31-32). A Verdade, sendo Espiritual, permitiu que os mártires se libertassem do apego corporal, entregando a Vida pela Verdade, segundo a qual este corpo é provisório.

A Lei e os Profetas até João! Daí em diante, é anunciada a Boa Nova do Reino de Deus, e todos se esforçam para entrar nele, com violência” (Lc 16, 16).

A violência que o Cristão pratica é a violência da resistência firme contra a mentira, é a violência da sabedoria, da luz, que faz cessar as trevas com seu brilho, ofuscando a ignorância. Jesus disse a seus seguidores:

Vós sois a luz do mundo. Não se pode esconder uma cidade situada sobre um monte. Nem se acende uma lâmpada e se coloca debaixo do alqueire, mas no candelabro, e assim ela brilha para todos os que estão na casa. Brilhe do mesmo modo a vossa luz diante dos homens, para que, vendo as vossas boas obras, eles glorifiquem vosso Pai que está nos céus” (Mt 5, 14-16).

Em tempos de escuridão, a luz é violenta, é uma agressão aos olhos acostumados às trevas e à ignorância, como nos filmes apocalípticos, em que os zumbis não podem andar durante o dia.

Outrossim, a violência praticada pelo Cristão é a violência da Verdade, contra a mentira dominante, a violência de ser agredido injusta e pacificamente, como a revolução liderada por Gandhi, com a técnica da Satyagraha, da força da verdade, estando com a razão, com o Logos, ser achincalhado, chamado de ignorante e medieval, quando, em verdade, a sabedoria de Deus, do Logos, a Verdade, é loucura para os homens, é uma violência…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s