Homo humanorum

É conhecida a controvérsia existente na Biologia sobre a origem dos seres humanos, notadamente pelas propostas evolucionista e criacionista, a primeira decorrente dos estudos consolidados por Charles Darwin e a segunda oriunda da doutrina teológica da criação.

O presente artigo desenvolve um pouco mais a ideia já exposta em “Macroevolução e microevolução” (https://holonomia.com/2017/11/22/macroevolucao-e-microevolucao/), segundo a qual não há incompatibilidade entre a Criação por Deus e uma ideia de evolução das espécies, de acordo com uma Evolução Teísta, porque Ciência e Teologia são um só e mesmo conhecimento.

É preciso, pois, superar o mecanicismo darwiniano e também a ideia criacionista da Terra jovem para se chegar a uma concepção científica e coerente sobre o desenvolvimento da vida em seu sentido teológico.

Como se pode extrair do artigo “Os Matemáticos da Evolução”, de Josiney A. Souza (http://revistas.pucsp.br/index.php/reveleteo/article/view/26612/20067), “os matemáticos descobriram que o mecanismo darwiniano seria viável matematicamente somente se poderosas hipóteses fossem agregadas, as quais a teoria de Darwin não fornece”. Fred Hoyle, conhecido astrônomo, é mencionado no artigo, por suas discordâncias em relação ao darwinismo, constando a seguinte citação de Hoyle: “como sugeriria o bom senso, a teoria darwinista está certa no nível micro, mas não no macro. Os coelhos derivam de outros coelhos ligeiramente diferentes, não de um caldo primordial ou de batatas. De onde eles provêm em primeiro lugar é um problema ainda não solucionado, como muitas outras coisas da escala cósmica”.

As linhas gerais do citado artigo, segundo as teses dos matemáticos, são no sentido de que a evolução não é plenamente explicada pela teoria de Darwin, não podendo ser entendida como um processo cego ou aleatório, e sem inteligência, pois não houve tempo cósmico bastante para tanto, não sendo o (neo)darwinismo suficiente para a compreensão da complexidade da vida, chegando Josiney A. Souza à seguinte conclusão:

A origem da vida e a evolução das espécies exigiram um planejamento racional por algum tipo de inteligência. Esta foi sem dúvida a crítica mais surpreendente dos matemáticos e revelou uma lacuna na teoria neodarwiniana da evolução que aparentemente não pode ser superada dentro da concepção atual da biologia”.

Portanto, há uma ordem oculta que não foi ainda compreendida pela evolução, e pela ciência em geral, que está relacionada aos grandes movimentos da vida, a uma inteligência que permitiu que enormes avanços ocorressem em direção à maior complexidade dos organismos, até chegar à humanidade.

A evolução materialista e darwinista, destarte, não explica a vida humana, devendo ser superada a hipótese de um mundo regido pelo acaso, ou por um processo cego e aleatório, para se aceitar que, de fato, existe cosmos, uma ordem sutil inteligente que regula os fenômenos da existência.

Por isso, mesmo que não se saiba exatamente como chegamos biologicamente até aqui, e pressupondo que a evolução ainda está em curso, é possível fazer uma leitura do Cristianismo como uma explicação da atual fase evolutiva da Vida na terra, em que a nova espécie, e mais evoluída, convive com a antiga, até que ocorra o evento que manifestará a ordem subjacente do mundo e promoverá aqueles indivíduos mais adaptados ao meio cósmico, que tiverem comportamento conforme ao sentido do movimento evolutivo, deixando para trás a forma de vida desconectada do movimento sutil da harmonia existencial.

Assim, pode-se dizer que Jesus Cristo é a evolução do Homo sapiens, ou homem que sabe, em direção ao homem humano, ou Homo humanorum, aquele ser consciente de sua pertença à espécie e de sua integração cósmica, que transcende o mero saber abstrato, porque realiza, por seu comportamento público e privado, a própria ideia de humanidade, encarnando o Logos, o Espírito santo, sendo o cosmos em vida humana. Vale ressaltar que mesmo havendo uma origem comum das palavras “homem” e “humano”, o segundo termo alcançou uma concepção ligada a um status especial, ou uma virtude, ligada ao comportamento elevado, à ação praticada com humanidade.

O próprio Jesus indica a existência de uma mudança de paradigma com sua vinda ao mundo, e a necessidade de obediência a uma ordem superior, que está além do mero nascimento carnal e da ação segundo instintos sensoriais: “Em verdade, em verdade, te digo: quem não nascer do alto não pode ver o Reino de Deus” (Jo 3, 3).

Essa evolução não é carnal, não é visível, porque é espiritual, ligada ao comportamento segundo o Espírito Santo, com humanidade, segundo a Razão de Vida, o Logos, em contraposição ao comportamento decorrente de vontades meramente carnais e egoístas de um membro isolado da comunidade. Tal entendimento também consta do artigo “Ética de Schrödinger” (https://holonomia.com/2018/06/25/etica-de-schrodinger/).

É preciso, pois, para evoluir para a humanidade, deixar os desejos bestiais para viver segundo a Vontade de Deus, segundo o Logos, a Razão ou Espírito Santo.

Vós, porém, não aprendestes assim a Cristo, se realmente o ouvistes e, como é a verdade em Jesus, nele fostes ensinados a remover o vosso modo de vida anterior — o homem velho, que se corrompe ao sabor das concupiscências enganosas — e a renovar-vos pela transformação espiritual da vossa mente, e revestir-vos do Homem Novo, criado segundo Deus, na justiça e santidade da verdade” (Ef 4, 20-24).

Nesse aspecto, Jesus Cristo é o primeiro ser verdadeiramente humano, que nasceu do Espírito, do alto, da coletividade, da humanidade, é o filho da espécie, é o Filho do homem, tendo passado voluntariamente pela cruz para que essa humanidade pudesse nos ser transmitida, pelo Espírito, em cumprimento ao que o Espírito, o Logos, havia profetizado.

Ele é a nossa paz: de ambos os povos fez um só, tendo derrubado o muro de separação e suprimido em sua carne a inimizade — a Lei dos mandamentos expressa em preceitos —, a fim de criar em si mesmo um só Homem Novo, estabelecendo a paz, e de reconciliar a ambos com Deus em um só Corpo, por meio da cruz, na qual ele matou a inimizade” (Ef 2, 14-16).

Antes de Jesus a humanidade não havia se manifestado plenamente em carne, apenas fora vislumbrada em espírito e em alguns comportamentos individuais dignos de posteriormente serem qualificados de humanos. Daí a anunciação da boa nova aos mortos, para que conhecessem a plena verdade da humanidade:

Pois para isso até os mortos a boa-nova foi anunciada, para que, por um lado, fossem julgados segundo padrões humanos em carne; mas para que, por outro, vivessem segundo Deus em espírito” (1Pe 4, 6).

Na plenitude dos tempos, quando o Homo sapiens se entendeu como Homo juridicus, manifestou-se aquele que cumpriu A Lei da Liberdade (https://holonomia.com/2018/10/24/a-lei-da-liberdade/), Jesus Cristo, que assim abriu o caminho evolutivo rumo ao Homo humanorum, a plenitude humana, que é a verdadeira imagem e semelhança de Deus, antecipando em si, por suas ações, o Reino de Deus, a ordem ou inteligência invisível que governa o mundo, e por isso teve a ousadia de dizer: “Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida. Ninguém vem ao Pai a não ser por mim” e “quem me vê, vê o Pai” (Jo 14, 6; 9).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s