Teodiceia

Teodiceia é palavra que trata de um assunto definitivo, fundamental, essencial, presente diuturnamente em nossas vidas, mas que lamentavelmente é pouco lembrado na vida cotidiana, fato este um sintoma do tempo sombrio em que vivemos, como reflexo do lampejo iluminista que sequestrou a alma da humanidade, na medida em que aquela fagulha de luz se apagou, porque se afastou de sua fonte, a Filosofia de Cristo, sobrevindo o período que talvez seja de mais intensas trevas da História, em que a tecnologia foi e tem sido usada para a destruição em grande escala, da vida humana e do planeta.

Tal vocábulo decorre da junção dos termos gregos Théos, ou Deus, e Díke, ou Justiça, referindo-se, pois, à ideia de Justiça Divina, conceito totalmente estranho à mente contemporânea, resultado do iluminismo que, ao longo do século XVIII, foi afastando a Ciência da Teologia, passando pela concepção marxista de que “a religião é o ópio do povo” e culminando na declaração de Nietzsche de que “Deus está morto”, no final do século XIX, proposta que restou desenvolvida ao longo do século XX, no qual temas religiosos ou a associação da racionalidade científica com a realidade espiritual foram implícita ou expressamente rechaçados, quando, não por acaso, a besta humana se mostrou com toda sua força, por meio do nazifascismo e do comunismo.

O pensamento secular e laico não consegue compreender a verdadeira dimensão da Justiça Divina, seu significado, principalmente quando o plano espiritual é tratado como uma fantasia, uma invenção humana destinada a ofuscar o medo da morte, de modo que falar em Teodiceia é entendido por aquele modo de pensar como uma nulidade científica, um anátema, sendo todas as pessoas e propostas a ela relativas condenadas de plano, a priori, como irracionais.

Na medida em que Deus foi excluído do chamado pensamento racional, o que levou consigo concepções filosóficas ligadas ao Absoluto, aberto ficou o caminho para o avanço do relativismo moral, que hoje domina a teoria política e o pensamento jurídico ocidental, a despeito de a condenação dos horrores nazistas ter se lastreado nos valores superiores da moralidade judaico-cristã, porque da perspectiva do relativismo moral e do materialismo não havia e não há fundamento bastante para condenar as propostas nazistas. Sem a utilização de uma ideia absoluta, de um valor supremo, que esteja acima da concepção supremacista racista, o conflito continuará no plano das ideias, e somente a força física restará como modo de superação dos impasses sociais.

Do ponto de vista evolutivo, apenas no estágio de desenvolvimento superior e posterior é possível entender adequadamente as deficiências do anterior, isso tendo como pressuposta a ideia de que a evolução é um fato. Como a ciência secular não oferece alternativa a esta, a menos que se pense que a vida chegou ao seu limite evolutivo, resta pensar quais são os critérios de seleção natural do próximo nível de existência biológica.

Para combater a supremacia branca, por exemplo, que pode ser considerada uma hipótese lógica da evolução material, e por isso seduziu a população germânica sob a liderança de Hitler, e continua convencendo alguns atualmente, apenas uma supremacia superior, com uma lógica mais elaborada, tem o condão argumentativo de suplantar a segregação humana, e tal é a lógica Cristã, com a ideia de encarnação do Logos, como Espírito Absoluto, de supremacia de Cristo, do Espírito que move a carne para o Bem. Em qualquer escala de valores que se possa conceber, nada há de mais elevado que o próprio Deus, que o mundo da divindade, que se coloca acima de possíveis hierarquias humanas.

Assim, é por meio de algo absoluto, ou sagrado, que a realidade é devidamente discernida, porque quando tudo é neutro e homogêneo, sem diferenciação, não há critério de escolha, não há ciência, não há lógica.

Vale dizer que a ideia de algo Absoluto, que serve de parâmetro para relativizar tudo mais que existe, é indispensável para o desenvolvimento do pensamento racional, pois sem que existam axiomas, postulados aceitos como certos, inquestionáveis, não há como fundar uma argumentação lógica. O princípio da não contradição é condição sine qua non para atividade filosófica, matemática e científica.

As noções de igualdade, semelhança e diferença são básicas na argumentação lógica, e também para as concepções de Justiça, que trabalha com os conceitos de certo e errado, bem e mal, classificando as diferenças entre comportamentos e fatos para, então, qualificá-los como justos e injustos. O justo é diferente do injusto, sob pena de violação do princípio da não contradição.

Assim voltamos à ideia de Teodiceia, porque diante da inequívoca existência de injustiça nas sociedades humanas, algumas excepcionalmente intensas, o argumento pela inexistência de Justiça Divina ganha força, principalmente entre os ignorantes.

Por isso é importante destacar dois níveis de Teodiceia, um a cargo da humanidade e outro de responsabilidade do próprio Deus.

Ao contrário do pensamento comum, a Justiça humana é, sim, uma delegação da atribuição divina de promover os valores superiores da criação, de modo que a Teodiceia deve ser realizada também por nós, para a promoção do Bem, promovendo o arrependimento dos malfeitores e a honra dos benfeitores. Na realidade, da perspectiva da divindade, quando nós exercermos bem essa função sacerdotal e celestial, especialmente no plano internacional, quando houver consciência verdadeiramente espiritual na tarefa de governar e julgar as questões terrenas, será dispensável a interferência de Deus para correção dos assuntos humanos, porque já estaremos atuando com Deus.

Por essa razão são as passagens bíblicas atribuídas aos apóstolos Paulo e Pedro, exigindo que os Cristãos sejam obedientes aos poderes humanos: “Todo homem se submeta às autoridades constituídas, pois não há autoridade que não venha de Deus, e as que existem foram estabelecidas por Deus” (Rm 13, 1); e “Sujeitai-vos a toda instituição humana por causa do Senhor, seja ao rei, como soberano, seja aos governadores, como enviados seus para a punição dos malfeitores e para o louvor dos que fazem o bem, pois esta é a vontade de Deus que, fazendo o bem, tapeis a boca à ignorância dos insensatos” (1Pe 2, 13-15).

Contudo, tanto por desconhecimento quanto por opção irracional, as leis divinas, o que também ocorre com as humanas, são rotineiramente desrespeitadas, provocando um aumento gradativo da desordem, o que culmina em revoltas e revoluções, na intervenção das autoridades ou do próprio Deus.

A História humana é repleta de eventos dessa natureza, estando narradas nas sagradas escrituras aquelas situações extraordinárias em que as forças celestiais agiram sobre o curso dos acontecimentos, do que podem ser citados o Dilúvio, o Êxodo e a Ressurreição de Jesus.

Em termos de Justiça Divina, este último fato é de importância maiúscula, que delimita exatamente o sentido da evolução, marcando antecipadamente as qualidades humanas do estágio de desenvolvimento superior e posterior da espécie, no exemplo de Jesus de Nazaré, e indicando a continuidade existencial dos indivíduos, pois na medida em que se entende que nossa realidade pessoal não se encerra com a morte, e que haverá uma prestação de contas pelas ações desta vida, tanto as benéficas quanto as maléficas, o conceito de Teodiceia fica melhor contextualizado.

Além disso, a Ressurreição é prova do acerto de determinada moralidade, da concepção de bem e mal adotada pelo judaísmo de Jesus Cristo, e visão política, o trabalho honrado e irrepreensível do líder, do Rei e Sacerdote, exatamente o exemplo de bom desempenho das atividades de governança humana, nos planos nacional e internacional, que dispensa a interferência de Deus para correção dos assuntos humanos, porque já conduzidos segundo a própria Lei Natural.

Como temos visto que, para os dois lados do espectro político, a humanidade está muito longe desse modelo, seja por falhas grotescas na legislação, quando premia a ilegalidade sexual, igualando indevidamente a diferença, com os benefícios do sagrado matrimônio, ou quando declara a normalidade do assassínio de vidas humanas, adotando uma lógica inferior, como a da supremacia branca, de um lado, ou pelo péssimo comportamento de lideranças de destaque, estimulando a desobediência civil com base ególatra, ou o desrespeito pela vida alheia e pelos menos favorecidos, de outro lado, isso é sinal de que a Teodiceia exercida pelo próprio Deus talvez esteja próxima de ocorrer…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s